Anime Cinema Cultura Japonesa Mangá

Koe no Katachi | A redenção de um Bully

Escrito por Pedro Ladino

Você já sofreu ou praticou bullying?

Koe no Katachi (A Voz do Silêncio, no Brasil) nos mostra através de uma brilhante narrativa, os esforços de um antigo bully tentando se redimir do que fez no passado.

Shouya Ishida é um bully, suas brincadeiras infantis são uma verdadeira tortura para sua colega de classe, Shouko Nishimiya , uma nova aluna surda. Conforme a coisa piora e todos ao seu redor parecem ignorar ou estimular as brincadeiras maldosas, Shouya passa dos limites, forçando Shouko a mudar de escola. Tendo sido considerado o culpado por tudo, agora é ele quem sofre torturas e bullying, aprendendo na pele o seu erro. Agora, seis anos depois, o rapaz decide encarar de frente a menina que atormentou e tentar corrigir os erros do seu passado. Será que ele conseguirá sua redenção?

O mangá escrito por Yoshitoki Oima foi originalmente publicado entre agosto de 2013 e novembro de 2014, na revista Weekly Shonen Magazine (a mesma de Fairy Tail), e teve ao todo 62 capítulos lançados, e compilados em 7 volumes. Koe no Katachi também contou com o apoio da Associação japonesa de Surdos, o que trouxe um realismo para o mangá.

Desde o início foi estabelecido que Koe no Katachi se tratava de uma história sobre bullying, porém ao decorrer do mangá, a autora começou a criar uma química entre o casal de protagonistas, levando a crer que a história seguiria um rumo de romance. E não só isso, mas as capas do mangá (e os posters do filme), mostrando os dois lado a lado, dava a entender que se tratava de um romance.

 

A evolução de Ishida é perfeitamente trabalhada, todo o ódio sentido no inicio da história, se transforma em pena, você quer acreditar que ele conseguirá mudar e vencer o seu trauma, e seu caminho até isso é bastante doloroso. Nishiymia também passa por uma transformação, é muito triste vê-la se desculpando todo o tempo, após ser xingada ou apanhando de alguém. Além de ter um capítulo inteiro no ponto de vista dela.

Os personagens secundários são muito bem explorados também. Todos lidam com seus dilemas e pecados do passado, e são transportados para os seus eus mais velhos, em especial a Ueno.

Ishida ignora e marca um X em todas as pessoas do colégio, desde a sexta série.

Eu conheci o filme primeiramente, e gostei demais. Se fosse para dar uma nota, eu daria 8/10. Claro que eu já esperava uma história corrida e comprimida em longas 2 horas e 10 minutos, afinal de contas, o mangá é completo em 7 volumes, mas eles fizeram de um jeito que a narrativa fosse bem fluida. Contudo, eu li o mangá logo após ter assistido, e as diferenças eram enormes. Basicamente cortaram metade da obra, incluindo desenvolvimento de alguns personagens (em especial da família da Nishimiya) e um excelente arco, que foi necessário para a construção do final da história.

Quanto mais eu lia, mais ficava claro que Koe no Katachi deveria ter sido um anime para televisão, e não um filme. Algumas mudanças foram feitas no filme, como a representante sair da história como uma heroína, sendo que no mangá, ela é uma (desculpe pelas palavras) tremenda filha da puta, assim como a Ueno, mas essa até que teve um final parecido. O inicio do mangá também mostra que os, futuramente, ex-amigos do Ishida, já se mostravam que não apoiavam as idéias dele tanto assim, o que o leva a ficar entediado.

Uma das coisas que o filme fez foi ter amenizado o bullying que o Ishida e a Nishimiya sofreram. Sério, eles sofrem demais na obra original, a própria Nishimiya deve ter levado tapa em cada capítulo do mangá. Em compensação, a cena da ponte no inicio filme foi totalmente original, gostaria que tivesse tido no mangá.

Apesar dos cortes, a narrativa do filme é bastante natural, e funciona perfeitamente para quem nunca leu o mangá. O problema como já citei, é a duração do filme. As 2h10m acabaram pesando bastante, mesmo com uma boa narrativa.

O filme também não possui nenhuma trilha sonora marcante, mas temos vários momentos de silêncio, que foram encaixados perfeitamente.

Em uma das coisas que o filme se sobressai, é em seu final. A cena final, além de ser emocionante, condiz com o objetivo do mangá: ser uma história sobre um ex-bully buscando redenção. Sim, no mangá há algumas coisas que acontecem após a cena final do filme, mas tanto ele, quanto o filme terminam em aberto.

O filme se destaca também em seu visual. Ele melhora, e muito o traço do mangá, em especial a Nishimiya, em que no filme está muito mais bonita do que no mangá. A Kyoto Animation mandou muito bem, não é á toa que o anime mais esperado do ano que vem, Violet Evergarden, seja desse estúdio.

No final de tudo, minha nota para o filme caiu para 7 e acabei ficando um pouco decepcionado ao refletir sobre as diferenças e ao fato do mangá ter virado um filme e não um anime para televisão. Já o mangá ganha um 9, é espetacular, apesar do final em aberto.

Até mais.

A mangaká Yoshitoki Oima, atualmente está trabalhando no recente mangá Fumetsu no Anata e (To You, Immortal, mudialmente) cuja a história está sendo bem elogiada.

No Brasil, Koe no Katachi começou a ser lançado recentemente pela Editora NewPOP, com o nome de A Voz do Silêncio.

 

Comentários
Compartilhar

Sobre o Autor

Pedro Ladino

Estudante de Jornalismo, Whovian, gamer e viciado em séries.

Deixar um comentário

Or