Anime Cultura Japonesa

Saiki Kusuo no Psi Nan: Ser um psíquico não é tão legal assim

Escrito por Pedro Ladino

Quando o assunto é humor, o gosto pessoal do telespectador fica muito em jogo, muitas pessoas não conseguem se conectar com o humor de algumas obras, como é o caso de KonoSuba, onde você tem que desligar o cérebro para curtir, ou no caso de Gintama, onde algumas de suas piadas são totalmente direcionadas para o público japonês. Já em Saiki Kusuo no Psi Nan, o telespectador encontra um anime onde você simplesmente pode assistir sem se preocupar com nada. Claro, existem algumas referências à cultura japonesa, e até mesmo à outros animes, mas de resto, é de boa.

A comédia de Saiki Kusuo funciona perfeitamente, ela beira o nonsense, e o que ajuda bastante é o fato da sua animação não ser “a melhor coisa do mundo”, é uma animação padrão, mas que combina muito bem com a comédia. E quando o Saiki usa um poder mais elaborado, a animação acompanha e tem um aumento de qualidade.

Ainda sobre a comédia, é bastante notável a influência de Gintama no anime, e provavelmente no mangá. O humor de Gintama flerta bastante com o absurdo, além de quebrar frequentemente a quarta parede. Em Saiki Kusuo, o protagonista também possui noção de que é um personagem, e ainda que não quebre repetidamente a quarta parede, ela funciona bem quando acontece. Saiki Kusuo é o filho legítimo de Gintama e com certeza irá ocupar o seu lugar, quando a obra de Sorachi terminar. O anime consegue desconstruir vários clichês de shounens e shoujos  e isso é feito de uma maneira totalmente hilária.

A primeira temporada de Saiki Kusuo no Psi Nan tem ao todo 120 episódios com 5 minutos de duração cada, que depois foram compilados nos já tradicionais 24 episódios que conhecemos. Esse formato de exibição é uma faca de dois gumes, ele funciona bastante quando a história é episódica, ou seja, ela é fechada naquele episódio e suas consequências vão passando pelo anime. No entanto, quando temos uma sequência de episódios, como aquelas da Viagem Escolar ou do Aniversário de Saiki, por exemplo, a quebra de ritmo entre os episódios incomodam bastante, é como se tivéssemos vários cliffhangers em menos de 15~20 minutos. Não chega a estragar a experiência, mas incomoda.

A trilha sonora de Saiki Kusuo no Psi Nan também é muito boa, em especial o tema de Kaidou, ela fica na cabeça e faz você se mexer no ritmo dela. Ambas as aberturas e encerramentos são fantásticos, tanto na parte sonora quanto em seus vídeos.

E grande elenco.

Os personagens do anime são bem desenvolvidos, apesar do curto tempo de tela de cada um. Os personagens vão se construindo conforme vão interagindo com Saiki e você acaba entrando na mente deles.
O elenco de vozes também está fantástico, com destaque para Hiroshi Kamiya, que interpreta o protagonista, e Daisuke Ono que está irreconhecível no papel de Riki Nendou.

Saiki Kusuo é um poço de expressões…

Os quase monólogos de Saiki são bastante legais de se acompanhar, suas frustações por causa de seus poderes fazem qualquer um desistir querer ter esses poderes. Porém, é interessante quando eles são usados de maneiras inovadoras, tirando o protagonista de várias enrascadas. É sempre hilário quando Saiki finalmente esboça uma expressão, seja de surpresa, alegria ou raiva, pois não é algo comum para ele.

Uma segunda temporada do anime está prevista para estrear no dia 16 de janeiro de 2018.
No Brasil, nem o anime e mangá de Saiki Kusuo no Psi Nan são licenciados oficialmente.

Comentários
Compartilhar

Sobre o Autor

Pedro Ladino

Estudante de Jornalismo, Whovian, gamer e viciado em séries.

Deixar um comentário

Or