Quadrinhos

Resenha | Pateta 0

Escrito por Marcus Santana

O melhor amigo do Mickey ganhou um status importante nos últimos anos. Além de uma mensal, vários especiais foram publicados e um novo alter ego chegou: O Pateta Reporter.

Assim como em Mickey, a Culturama decidiu por duas histórias mais longas para começar com o Pateta. Marco Mazzarello, mesmo ilustrador de Três Num Trenó (Mais Um Cão), a principal HQ de Pato Donald nº2481, desenha ambas. Uma história é boa; A outra, nem tanto.

A capa é bonita. Colorida e bem desenhada, Giorgio Cavazzano cria boas expectativas para A Profecia dos Saurotecas. As coisas melhoram já ao saber que Eurásia, a arqueóloga amiga de Mickey, está no elenco. Eurásia é uma personagem relativamente recente: foi criada por Casty em 2004 e protagonizou apenas 8 histórias até hoje. Entre elas, a ótima O Raio da Atlântida publicada em Mickey nº 894 em fevereiro de 2017.

Atendendo ao pedido dos cientistas Zapotec e Marlin, Mickey e Pateta vão ao Museu Arqueológico examinar a tal profecia Sauroteca, onde uma ilustração designa dois parceiros correndo de um lagarto gigante. No desenho, esses dois se parecem muito com Pateta e Mickey. Ao avisar Eurásia do ocorrido, esta sugere uma viagem ao México, onde os Xamãs da região guardavam um cetro capaz de acalmar a fúria dessas criaturas, adorada pelo povo da região.

O problema aqui é a inconsistência do roteiro. Há muitas informações que são pouco exploradas ou criam uma ideia de clímax que não é atingida. O início da aventura sugere uma viagem no tempo que não ocorre; Um antagonista surge no meio da história e tem pouca influência na trama; O tempo é muito relativo entre um dia de outro quando acontece a viagem ao México e retorno… com menos elementos, creio que funcionaria melhor. Uma pena, pois tinha tudo para ser melhor, assim como o roteirista Vito Stabile já nos entregou enredos superiores, como O DesmanchaPrazeres, publicado em Pateta nº86, de junho de 2018.

Mas A Água Fóssil estabiliza o nível desta primeira leva de HQs Disney. Pateta e Horácio têm dificuldades em cuidar do jardim: A água parece ser controlada por uma força desconhecida. Esta força pertence à Hidris, um alienígena ancião que agora vive em uma cidade subterrânea na terra. Com a extração na reserva hídrica de sua cidade, seu território e amigos são sequestrados por uma empresa que agora explora a região. Assim, cabe a Pateta e Horácio ajudarem à resgatar a população e reequilibrar o ecossistema.

Aqui temos um roteiro redondo. Inclusive uma curiosa reflexão sobre o hábito de colecionar, que diz respeito a muitos de nós e nossos quadrinhos. Nada espetacular, mas satisfatório. Fazendo o simples pode se dar bem. Menos é mais.

O início da edição acaba compensando com o fim. Há várias histórias com Pateta ainda a serem publicadas, e a tendência é que melhore nas próximas edições.

Comentários
Compartilhar

Sobre o Autor

Marcus Santana

O que seria de nós sem quadrinhos?

Deixar um comentário

Or