Anime Cultura Japonesa

Primeiras Impressões: RErieD: Derrida, who leaps through time

Escrito por Pedro Ladino

Enquanto sofríamos com o péssimo Steins;Gate 0, Satou Takuya, diretor do anime de 2011, estava trabalhando em um anime original, nomeado de RErideD: Derrida, who leaps through time, que também tem como tema, viagem no tempo. É com ele que iremos começar a cobertura da Temporada de Outono 2018, ainda que bem adiantada.

Além de Takuya na direção, tem na staff de RErideD, o compositor de série Konuta Kenji, que trabalhou em… PERA

OH BOY, ESTAMOS FODIDOS

Abe Yoshitoshi, de Serial Experiments Lain, é o responsável pelo Character Design Original, e Watanabe Kouji pela animação. A produção está a cargo do recém-formado Geek Toys, é o primeiro anime feito pelo estúdio.

Apesar de estrear somente no dia 03 de Outubro, RErideD teve a exibição de seus 4 primeiros episódios em um evento no Japão, e com isso a Crunchyroll os trouxe para o seu catálogo no mesmo dia.

A história de RErideD se passa no ano de 2050 e temos como protagonista, o cientista Derrida Yvain, que é um dos responsáveis pela criação dos “Automatas DZ”. Após descobrirem uma falha na programação, Derrida e seu companheiro Nathan e decidem reportar para seu chefe, na companhia Rebuild. Após isso, Derrida e Nathan são atacados, e ao conseguir fugir, Derrida entra em uma cápsula de criogenia e acorda 10 anos no futuro, em um mundo devastado pela guerra, e então decide procurar Mage, filha de Nathan, e protege-la a todo custo.

Sim, um anime de viagem no tempo, com elementos pós-apocalípticos. Graças a Deus a gente não tem tantos animes com esse tema. Mas olha só, temos o diretor de Steins;Gate comandando o projeto. Não tem como dar errado, não é mesmo? Bem…

Olha só, LOLIS!

A direção de Satou Takuya é a coisa menos problemática de RErideD. O problema do anime em si, está em seu roteiro. A história é genérica, já vimos isso diversas vezes em outras mídias. Até o final do quarto episódio, eu, que sou burro igual uma porta, conseguia saber pra onde a história estava sendo levada. Mas admito, que não esperava a utilização de tal “plot twist” tão cedo no anime.

Então fica aqui a dica mais genérica possível: PRESTE ATENÇÃO NOS DETALHES. Mais especificamente, no primeiro episódio, é ele quem vai ditar as revelações do anime.

E o harém vai se formando

Os personagens até o momento são bastante unidimensionais, você não se importa e nem liga para nenhum deles, não há ligação entre personagem/telespectador. Então não tem muito o que comentar sobre eles por agora.

Aliás, AMGE, sério? Vocês não poderiam pensar em um anagrama melhor?

Eu sei como é…

Outro grande ponto negativo ao meu ver, é a montagem. Algumas cenas possuem cortes estranhos, em especial a do congelamento de Derrida. Onde claramente ele se deita na cápsula de criogenia (o que já não faz nenhum sentido), e no frame seguinte ele simplesmente já está amarrado.

Apesar do Geek Toys ser um estúdio novato, a animação está bem consistente, sendo o episódio 3 o mais fraco nessa questão. O uso de CG está aceitável, é feio em algumas partes, mas não incomoda tanto, como em outros animes. O som do anime tem algumas… esquisitices???? Ainda não consegui definir se é proposital ou falta de orçamento.

Hum…

Considerações Finais:

Apesar de boa direção e animação consistente, RErideD possui uma história genérica e já manjada  e terá que se apoiar em plot twists se quiser manter um público.

De qualquer forma, é VIAGEM NO TEMPO, quem não gosta de VIAGEM NO TEMPO? O trouxa aqui vai acompanhar.

Nota para os 4 primeiros episódios: 5/10

Curiosidade: Jacques Derrida foi um filósofo que inventou o conceito de “desconstrução”. Em RErideD, o protagonista se chama Derrida, e seu pai, Jacques. O que isso significa? Não faço ideia e não me esforçarei para descobrir.

Como eu citei acima, RErideD teve os 4 primeiros episódios disponibilizados de uma vez na Crunchyroll. Até onde eu sei, o anime terá ao todo 12 episódios.

Comentários
Compartilhar

Sobre o Autor

Pedro Ladino

Estudante de Jornalismo, fã de jogos e mangás.

Deixar um comentário

Or