Tela Quente

Um Lugar Silencioso: Parte 2 e a Expansão do Universo de Krasinski

Escrito por José Victor

Dirigido por John Krasinski e estrelado por sua esposa, Emily Blunt, em 2018 estreou nos cinemas Um Lugar Silencioso: longa de Terror onde acompanhamos um casal e sua convivência com seus filhos em um mundo pós-apocalíptico dominado por criaturas cegas que apresentam uma audição extremamente aguçada. Enquanto andam descalços ao ar livre e se comunicando por meio da linguagem de sinais, a família precisa sobreviver e evitar ao máximo fazer algum barulho para não atrair os monstros.

O título trouxe uma inovação para o gênero ao, tal como Christopher Nolan fez em Dunkirk, usar o som e sua edição – ou a ausência dele, neste caso – como elemento primordial da narrativa para criar a atmosfera e a tensão necessárias, envolvendo o telespectador no ambiente exibido nas telas. Após inúmeros adiamentos por conta da pandemia, Um Lugar Silencioso: Parte 2 finalmente chega aos cinemas deixando uma dúvida assim que começa – será que está é uma continuação necessária?

A Quiet Place 2': First Trailer: John Krasinski's Near-Silent Sequel | IndieWireCom o passar dos anos, surgiram diversos longas cuja as suas sequências comprometeram a premissa inicial criada no primeiro filme. Alien, por exemplo, apresentou em seu longa um clima de tensão e suspense no decorrer do título justamente pela demora da criatura a aparecer e pelo mistério de sua origem. Com suas continuações e prequels que buscavam explicar a origem do monstro, o clima criado pelo primeiro filme foi quebrado e os longas que vieram depois apresentaram qualidade duvidosa por conta disso – o mesmo ocorrendo com Predador e outros filmes atuais dos gêneros. É gratificante saber que, entretanto, isso não é o que ocorre com Um Lugar Silencioso: Parte 2 que cumpre seu papel e serve uma excelente expansão do universo composto por John Krasinski em 2018.

Começando com um prólogo mostrando o primeiro dia da invasão aos monstros sem revelar muito sobre sua origem e apresentando personagens relevantes para o decorrer da trama, a história deste é uma continuação direta do primeiro filme: depois de terem sua fazenda destruída pelas criaturas, a família protagonista precisa encontrar um novo lugar explorando a cidade na qual vivem. Enquanto isso Regan Abott, a filha do casal, procura uma forma de divulgar aos sobreviventes restantes sua descoberta para matar os monstros através do som.A year later, John Krasinski's 'Quiet Place' ready to make noise | WCTIO elemento interessante aqui é ver como o filme segue a mesma fórmula com algumas alterações do seu antecessor e funciona em harmonia com mesmo, servindo como um acréscimo que caso seja assistido com o primeiro filme funcione como um ato dele. John Krasinski trabalha bem na direção e utiliza elementos do cenário como primordiais para a narrativa fluir de forma coesa sem precisar explicar ao público por meio de diálogos expositivos. Além disso, se utiliza da mesma forma o recurso sonoro como forma de aumentar a tensão e ambientar os telespectadores a situação exibida em tela – porém, não consegue atingir ao ápice que o antecessor atingiu.

A narrativa do longa também consegue fluir entre os pontos de vista dos dois grupos de protagonistas: um, composto pelo personagem de Cillian Murphy e pela filha do casal enquanto o outro é composto pela personagem da Emily Blunt e seus dois filhos. Esta ruptura é bem trabalhada mas colabora com um dos pontos negativos do longa.

Por mais que seja bom, o título não consegue transmitir o mesmo que sua primeira parte, creio que seja por ter acabado com o mistério de como seriam as criaturas e pela lentidão de sua narrativa. Outro ponto que tira um pouco do brilho é as conveniências expostas no roteiro perante a exibição do longa, onde certas situações se resolvem de forma aleatória apenas para ajudar os protagonistas sem nenhuma explicação aparente. Por último o longa abre brechas durante sua exibição que acabam não sendo exploradas da devida forma, logo por mais que os 90 minutos de exibição sejam mais que o necessário para contar esta história, ele também sabota neste ponto e ajuda a não explorar os personagens da mesma forma que o primeiro desenvolveu. Um Lugar Silencioso - Parte II: Cillian Murphy aparece em imagem inédita do filme - Notícias de cinema - AdoroCinema

Então, é bom?

Um Lugar Silencioso: Parte 2 se apresenta como uma excelente expansão do universo que Krasinski trouxe para os cinemas três anos atrás. Enquanto o primeiro longa focava apenas na família protagonista em sua narrativa central, este trás novos personagens além destes e trilha entre dois pontos de vista diferentes mostrando que há mais a ser explorado.

John Krasinski trabalha de forma sutil e aceitando suas limitações durante os 90 minutos de exibição do longa e consegue manter toda a fórmula que compõe o longa antecessor sem que ele perca sua essência e sem nenhuma pretensão de ser algo além de um filme de suspense e sobrevivência, utilizando todos os recursos disponíveis em cena para contar sua história e criar a tensão necessária – mesmo que esta não tenha a mesma potência que teve no primeiro longa.

De forma geral quem gostou do antecessor irá adorar o título e vai pedir mais após seu desfecho, sendo que a continuação já está confirmada para 2023.

Nota: 4/5

Comentários
Compartilhar

Sobre o Autor

José Victor

Estudante de Odontologia durante o dia, redator da Torre durante a noite e apaixonado por audiovisual e jogos todo o tempo. Nas horas vagas, streamer no canal da Twitch.