Anime Mangá

Sayonara Zetsubou Sensei | Adeus, desespero

“Basta um pequeno grão de esperança para causar o nascimento do amor”

   – Stendhal (1783-1842, França)

Até então, na minha vida foram muitas as obras que me influenciaram em alguma forma, seja a determinação e minúcia de Dante Alighieri ao falar do seu amor por Beatrice em Vita Nuova e na sua obra prima A Divina Comédia, a fantasia simbólica e subjetiva de Alice no País das Maravilhas, a moral e o medo de H.P Lovecraft em seus contos ou a tragédia romântica do suicídio em Não Mais Humano, estas foram obras que, de alguma maneira me influenciaram de uma forma que acho difícil explicar.

Foi por acidente, um desencontro, que fui apresentado ao trabalho de Koji Kumeta em um mangá de comédia com arte simplista o qual desconhecia. Até então na minha vida foram muitas as obras que me influenciaram de alguma forma e Sayonara Zetsubou Sensei é uma obra que me afetou profundamente, uma obra que me apresentou diversas facetas do ser humano, que me divertiu, mas que acima de tudo me deixou desesperado.

Acredito que seja um incrível obra subestimada, é por tal razão acredito que deva falar sobre ela, sobre como Koji Kumeta consegue transformar uma comédia em uma elaborada crítica social, política e humana. Essa é uma história sobre um professor incrivelmente pessimista e sua estudante extremamente positiva, um encontro que não deveria ter acontecido.

Itoshiki Nozumu, um homem incrivelmente pessimista, tenta se matar mas é impedido por Kafuka Fu’uura, uma garota incrivelmente otimista. Um encontro que jamais deveria ter acontecido.

Publicado entre 2005 e 2012 na revista Weekly Shounen Magazine, Sayonara Zetsubou Sensei é escrito e desenhado por Kouji Kumeta, e possui ao todo 30 volumes. Foi adaptado para anime entre 2007 e 2010, pelo estúdio Shaft e dirigido por Akiyuki Shinbou (Monogatari Series e Sangatsu no Lion).

Sayonara Zetsubou Sensei gira em torno de Itoshiki Nozomu e sua classe onde frequentemente, através das lições não ortodoxas de Itoshiki-sensei, acabam satirizando diversos aspectos da cultura popular e moderna.

Como mencionado, acredito que Sayonara Zetsubou Sensei seja uma obra magnífica embora não tenha tanto reconhecimento por esta qualidade. De fato uma tragédia, mas acredito que haja esperança para esta série. Zetsubou Sensei a primeira vista é apenas uma comédia seguimentada com vários temas da vida moderno, cultura japonesa e até filosóficos, mas é exatamente neste ontem em que se destaca ao entregar uma reflexão pesada sobre estes temas sem quebrar a linha do humor.

Não há quase nada que diferencie as garotas uma das outras senão o corte de cabelo. Desde a partição no meio perfeccionista de Chiri até o corte ‘normal’ de Nami-chan. Embora pareça uma escolha estética apenas para facilitar a produção, mais tarde se mostra um ponto importante na série.

Zetsubou Sensei atinge isso através das interações do incrivelmente pessimista e desesperado professor Itoshiki Nozomu com suas alunas (há algumas exceções). Embora muito possa passar despercebido a primeira vista devido ao estilo de arte simples do mangá ou simplesmente a forma como são apresentadas no anime, muito do plot maior pode ser visto aqui e ali no decorrer dos 301 capítulos, quase como pequenas pistas que o leitor dificilmente entende até que é tarde demais.

Nessa mesma nota, diversos elementos presentes mas pouco citados estão lá para reforçar o peso da narrativa. Como as roupas antiquadas de Itoshiki comuns no período Shōwa e as próprias personalidades das garotas representando diversos aspectos da cultura japonesa, como a perfeccionista e obsessiva Chiri-chan ou Kiki Komori, uma hikikomori que se recusava a sair de casa mas após ser influenciada por Itoshiki-sensei ela passou a se recusar a sair da escola fazendo dela sua nova casa.

Através destes elementos, Sayonara Zetsubou Sensei entrega piadas incrivelmente engraçadas e satíricas sobre os diversos aspectos de nossas vidas. Por outro lado, Zetsubou Sensei é muito mais que apenas uma comédia sobre estudantes e seus professor pessimista, de fato, a história surpreende a todos ao entregar um dos maiores plot twists que já vi em qualquer obra literária.

Enquanto assistia a adaptação em anime, me deparei com diversas pessoas em fóruns comentando sobre o lendário final de Sayonara Zetsubou Sensei. Onde quer que olhasse apenas via mais e mais comentários sobre o magnífico final deste mangá, e como até então não houve uma adaptação completa dos seus 301 capítulos me vi intrigado a ler mais discussões da classe de Itoshiki-sensei afim de descobrir qual o mistério que jaz por trás dela.

Sayonara Zetsubou Sensei se consolida como um mangá de comédia, mas próximo a sua reta final a história, ainda na mesma estrutura, começa a ficar incrivelmente pesada e a segunda vista é impossível reler Zetsubou Sensei sem criar uma atmosfera sombria no ar. Lendo os últimos capítulos fui incapaz de seguir adiante sem parar e chorar lágrimas pesadas. É um final inesperado que se encaixa com a temática da série e apesar de tudo termina em uma nota positiva.

Uma luz de esperança em meio ao desespero.

A verdade estava na nossa frente o tempo inteiro

Um problema frequente de muitas obras do meio é como muitas delas, embora tenham uma run espetacular, a história acaba sendo quase que totalmente arruinada por um final ruim. Mas esse não é o caso de Zetsubou Sensei. Uma obra simples mas que após uma breve inspeção é capaz de transmitir diversas mensagens sobre o comportamento humano e as dificuldades e trivialidades do mundo moderno.

Falando um pouco sobre o anime, Zetsubou Sensei também surpreende ao entregar diversas aberturas espetaculares cheias de detalhes e spoilers quanto ao final do mangá mas que são imperceptíveis até que você o leia. Enquanto assistia as aberturas, especialmente a de Goku Sayonara Zetsubou Sensei, não pude deixar de notas a similaridade do estilo de animação e arte utilizados que me lembraram das primeiras aberturas e execuções da série Dangaronpa, outra série focada na temática desespero. E não foi para minha surpresa descobrir que o staff responsável por Zetsubou Sensei logo deixaria o estúdio e participaria da produção de Trigger Happy Havoc: Dangaronpa que logo se tornaria uma série. E novamente não é para minha surpresa que após ler Zetsubou Sensei fica óbvia a influência que o mesmo teve nesta obra.

“Sayonara, Zetsubou Sensei!”

Certamente, Sayonara Zetsubou Sensei não é uma obra para todos pois acredito que seja realmente difícil de adaptar a estrutura da história, com cada capítulo focando em um tema diferente, tal como cada episódio. Mas além disso não possuo mais nenhuma crítica quanto ao que acredito ser a obra prima de Koji Kumeta. De fato, uma história que apesar de segurar desespero no seu próprio nome e em suas raízes jamais foi capaz de me deixar desesperado, mas foi o que trouxe um pouco de esperança em tempos difíceis.

Acredito que é por isso que esta obra merece um lugar ao lado de outras grandes que me influenciaram tanto, é da mesma forma, Zetsubou Sensei me fez pensar muito sobre os diversos aspectos da minha vida isso enquanto entregava uma comédia hilária com diversas personagens unidimensionais mas características.

Comentários
Compartilhar

Sobre o Autor

Luis Alex Butkeivicz

Estudante de Letras em inglês, autodidata de literatura japonesa, otaku e escritor.

Deixar um comentário

Or