Tela Quente

Lupin, uma série francesa: cativante, perspicaz e divertida

Escrito por Thaís Morgado

O ano de 2021 começou com grandes promessas de produções da Netflix, sendo Lupin a pioneira nas séries e ainda superando a audiência de sucessos como O Gambito da Rainha e Bridgerton. Talvez o principal fator a chamar a atenção do público foi a premissa apresentada no trailer: o roubo de um colar de diamante no Louvre e cenas muito bem-apresentadas.

Mesclando o romance policial com um pouco de comédia, Lupin é uma série francesa que adapta para os dias atuais a obra de Maurice LeBlanc, criador do personagem Arsène Lupin, famoso ladrão do meio literário, sendo este o qual o protagonista Assane Diop (Omar Sy) se inspira para realizar seus planos na grande Paris. A melhor característica da história se dá pelo fato de que o protagonista não executa seus roubos visando o dinheiro, e sim uma vingança contra a elite no geral, em específico à família que seu pai prestava serviços e que acabou acusando-o injustamente pelo roubo do tal colar, logo depois suicidando-se na prisão, o que deixou marcas na vida de Assane. A série conta com cinco episódios e já tem a segunda parte confirmada e gravada.

Culturadoria

 

Tramas em que o espectador torce para o cara “mau” que infringe a lei são famosas e, dependendo da atmosfera que a produção cria e sobretudo o carisma deste, ocasionam uma experiência eletrizante. Além de conseguir propiciar essa sensação, a narrativa de Lupin é construída em uma base totalmente justificada e tangível, fazendo com que críticas sociais atuem de uma forma orgânica que conseguem nitidamente passar a mensagem necessária, sem forçar ou repeti-la várias vezes. A maior delas é a motivação do protagonista de buscar vingança, pois o racismo enraizado na alta sociedade fez com que o pai de Assane fosse preso por roubo, e ainda mais tarde a suspeita das pessoas acerca de Assane quando ele compra o colar apenas pela sua aparência. A série levanta tais questões que dão um soco no estômago por serem tão reais, e sem perder o foco central proposto.

Omar Sy (Intocáveis, Jurassic World) entrega uma performance carismática, charmosa e natural, além de passar uma sensação de poder. Os disfarces que seu personagem usa são convincentes somados à atuação de Omar. De fato, ele foi a escolha certa para dar a visibilidade que séries estrangeiras merecem.

No entanto, a série peca em algumas cenas que claramente não se adequam à realidade e que dificilmente dariam certo, em particular o episódio em que Assane vai à prisão atrás de respostas sobre seu pai. Muitos pontos parecem funcionar a fim de que o intérprete consiga alcançar seus objetivos de forma rápida e fácil, sem se preocupar com a veracidade da situação. Numa produção com esse tipo de premissa, muitos espectadores esperam circunstâncias que se afastem da ficção e pareçam genuínas.

Em suma, Lupin é inteligente, cômico, possui uma história com ótimos pretextos e sequências de cenas empolgantes. Com certeza uma ótima produção da Netflix e a escolha certa se você gosta de ser surpreendido por um enredo.

Comentários
Compartilhar

Sobre o Autor

Thaís Morgado

Deixar um comentário

Or