Games

League Of Legends | SK Telecom T1: Uma lenda surge, Faker está entre nós

Escrito por Otavio Victor

Conforme foi passando os anos, percebemos como os jogadores foram entendendo os jogos e como os Mundiais foram ficando melhores, e isso tem um de seus ápices aqui, no Worlds 2013. A SK Telecom T1 é um time de e-sport que tem seu dono a grande empresa de telefonia coreana, a SK Telecom, a equipe foi fundada no final de 2012 e vinha como grande candidata da Coreia para conquista do título.

O time era formado apenas por jogadores novos, sem muita expressão no âmbito profissional, mas que nas filas ranqueadas da Coreia, já mostravam sua força. Um desses jogadores é o Faker, uma lenda que vocês vão conhecer melhor no decorrer dessa série de textos sobre o Mundial, mas que naquela época já era uma estrela em ascensão.

O Mundial 2013 mais uma vez teve um chaveamento meio bagunçado, os quatro times que tiveram melhor desempenho nos All Star, ganhava uma vaga direta para as quartas de final. Que não foi o caso da SKT, do qual precisou jogar a fase de grupos do torneio.

Sem dificuldade alguma, a equipe conseguiu passar pelos grupos, onde perdeu apenas 1 jogo dos 8 que disputou, mostrando excelente consistência em seu primeiro ano. O Worlds 2012 foi conquistado pela Taipei Assassins (Clique aqui para ler), porém neste ano eles não tiveram o mesmo sucesso e veio a ficar de fora.

Com a atual campeã fora do torneio, era a chance de equipes fortes mostrarem seu potencial, e foi o que aconteceu com a SKT. O time pegou uma chave tranquila, onde venceu o primeiro adversário das quartas por 2-0.

Já na semi-final o adversário era mais complicado, seu rival de país, a Najin Black Sword. Porém, além de brilhar a estrela de Faker, a SKT mostrou o que vinha a ser sua grande arma durante seus títulos, a MD5 imponente do time. Raras vezes você verá a SKT chegar em um game 5 e perder, aliás eu te desafio a encontrar, o que para mim, será uma tarefa impossível.

Vencendo a Najin por 3-2 a equipe chegava em uma final inédita em sua curta história e iria encarar uma equipe que viria a ser uma de suas principais rivalidades. O adversário da vez seria a poderosa equipe chinesa, Star Horn Royal.

A Royal também trazia como sua principal arma um jovem rapaz, considerado o melhor ADC de todos os tempos, Uzi chegava para tentar deixar seu nome marcado na história. E se de um lado temos Uzi e de outro temos Faker, mesmo que no começo de suas carreiras, sabemos que era sintoma de um grande jogo.

Para os fãs do Uzi, esse sintoma não pincelou a equipe chinesa, que veio a perder a final por 3-0 e diferente dos últimos dois anos, não parecia que a SKT havia sofrido para conquistar esse título.

Aqui se começava a era coreana que bateu na trave da temporada passada, e muito além disso, começava também a era da SKT, uma equipe que havia acabado de nascer, mas a sede por títulos e por conquistar tudo o que viesse em sua frente era imensa.

De mãos dadas a essa sede vinha uma lenda, apelidado já nessa época de ‘Demon King’, Faker dava indícios do que era capaz de fazer, e quando mostrava seu potencial em partidas, ninguém o parava.

SKT e Faker construíram então este laço que dura até hoje, mas isso é história para os próximos textos, que você acompanha sempre aqui, na Torre de Vigilância.

Comentários
Compartilhar

Sobre o Autor

Otavio Victor

I am a Baggins of Bag End.

Deixar um comentário

Or