Games

League Of Legends | Samsung White: Os Invencíveis

Escrito por Otavio Victor

2013 foi um grande ano para os coreanos, pela primeira vez uma equipe de lá havia conquistado o campeonato Mundial, o que poderia significar as chaves para a porta do domínio total de apenas uma região. Porém, uma equipe não trouxe nenhum saldo positivo daquele ano, a Samsung.

Fazendo uma campanha extremamente fraca na fase de grupos, sendo eliminada ainda cedo na competição e sem chances alguma de trazer uma experiência satisfatória daquele ano. Com o nome de Samsung Ozone, o time não parecia encaixado, do qual faltava uma peça para se tornar uma grande equipe.

2014 a Samsung resolveu remodelar toda a forma de competição, e dividiu as equipes em Samsung Blue e White, sendo a Blue atraindo mais os olhares dos fãs que viam potencial na organização. E essas mudanças deram muito certo, na LCK (Campeonato Coreano) ambas das equipes se classificaram para o Mundial, com a White despachando a atual campeã, SKT, destronando Faker de tentar mais um título.

Já no Mundial, a White conseguiu incríveis 6 vitórias em 6 jogos da fase de grupos, se classificando em primeiro e tentando provar para si mesmo que era capaz de alçar maiores resultados. Longe da campanha do ano anterior, a equipe mostrava que havia encontrado a peça que faltava e ela era nada mais que seu Suporte, Mata.

Mata foi um Suporte agressivo com espirito de liderança que comandava aquela equipe e ditava as calls durante o jogo, a diferença de 2013 para 2014 não era nada além de um jogador que ao mesmo tempo era um treinador in-game. Com Mata sendo a peça fundamental, todos da equipe conseguiram chegar em seu máximo de performance, deixando a sinergia do time em uma enorme crescente.

Nas Quartas de final da competição, a equipe conheceu aquela que seria sua primeira derrota no torneio, a TSM conseguiu tirar um jogo da Samsung White, porém não surtiu efeito algum no ânimo dos jogadores, que passaram pelos Norte-Americanos por 3-1, avançando para a semi-final.

Já na semis eles enfrentariam seus alter egos, seus irmãos de casa, a Samsung Blue. Os Blues vieram de campanha semelhante no Mundial perderam apenas 1 jogo de 6 na fase de grupos e nas Quartas encaram a também americana, Cloud 9, vencendo por 3-1.

Na LCK, a Blue foi responsável por eliminar a White da competição na semi-final, logo, essa disputa de vaga para a final do Mundial era muito mais que um jogo, era uma prova para ambas de mostrar quem era superior, que lado da Samsung é melhor, uma batalha de iguais e de dois times que vieram para conquistar.

Em uma excelente série que não reflete em nada o placar, a Samsung White venceu a Blue por 3-0 e conquistou a vaga na final e se tornou um baque enorme para os jogadores, que ao acabar a partida não aguentaram e caíram no choro, pois sabiam que a batalha ali havia acabado e que a White era realmente superior a eles.

A grande final foi marcada pelo show da banda ‘Imagine Dragons’, que inclusive foi a primeira em criar músicas para o Mundial, do qual hoje se tornou uma tradição de todo ano ter um tema musical.

A final foi entre Samsung White e Star Horn Royal, que veio nessa temporada tentar mais uma vez conquistar esse título que tinha deixado escapar no ano anterior. A Royal se classificou numa chave difícil, encarando apenas equipes chinesas no caminho, a começar pela EDG nas quartas e seu outro rival, a OMG nas semi-finais, saindo com a vitória em ambos dos jogos por 3-2.

Mais uma vez Uzi chegava como o protagonista daquela equipe, do qual os torcedores depositavam toda sua fé. Porém o adversário não era qualquer um, era o pior adversário possível para se encarar em uma final, a White não chegou ali para perder.

Liderados por Mata e Imp, a Samsung não tomou conhecimento de seu adversário e venceu de forma tranquila por 3-1 na grande final, quebrando as expectativas de todos os chineses e evidenciando que a Coreia deveria ser respeitada e que dominaria o cenário Mundial por muito tempo.

Aquele time da Samsung perdeu apenas dois jogos durante o torneio, pareciam verdadeiras maquinas, tinha sido meu primeiro Mundial como telespectador e o que eu via eram robôs programados para vencer e conquistar. Mata foi o MVP da competição, do qual é até hoje o único suporte a conquistar tal.

Comentei no texto anterior sobre o Mundial que teve como alvo a SKT, que a nata do League Of Legends se via naquela equipe, com isso gostaria de reformular minha frase e dizer que, a nata do League Of Legends se resume nessas duas equipes, nunca mais veremos algo tão dominante quanto elas foram.

 

Comentários
Compartilhar

Sobre o Autor

Otavio Victor

I am a Baggins of Bag End.

Deixar um comentário

Or