Anime Cultura Japonesa Pagode Japonês

Kaguya-sama é uma comédia que merece destaque

Escrito por Mateus Murozaki

O modelo de comédias românticas ambientadas em um ambiente colegial já está enraizado na cultura de animes e mangás. Basta ver uma lista de estreias da temporada e uma boa parcela das novas produções seguirão este padrão de menino e menina que se apaixonam, porém teremos que vê-los enfrentar diversos mau-entendidos para que, ao fim, talvez os vemos ficando juntos.

Devido à sua saturação, este gênero de rom-com costuma ser insípido e formulaico, acertando as mesmas batidas com roupagens levemente diferentes para que o otaku, japonês ou não, possa engajar em suas fantasias de shipping e self-insert. Em meio à isso, temos Kaguya-Sama: Love is War, uma comédia romântica que, apesar de não fugir de grandes padrões, exibe diversas qualidades em seus 12 episódios para que possa desde já figurar entre os destaques dos animes de comédia em 2019.

Adaptado do mangá de Aka Akasaka publicado na revista Young Jump, a produção da A-1 Pictures conta a história dos dois maiores membros da escola Shuchiin: Miyuki Shirogane e Kaguya Shinomiya, dois adolescentes apaixonados um pelo outro, porém em uma guerra fria para que façam o outro declarar seu amor primeiro, em prol do próprio orgulho.

Enquanto que outras obras do tipo buscam apresentar uma visão hiper-romantizada do amor colegial, Kaguya-Sama encontra na inteligência em parodiar tais situações a sua maior arma. Utilizando-se de arquétipos bem definidos para criar situações de humor, o anime posiciona seus personagens de forma a comentar como a menor das situações pode significar um baque enorme no frágil ego adolescente que estes ostentam com orgulho.

Grande parte dos esquetes consiste em colocar as personalidades das figuras em questão em conflito excessivamente dramáticos a partir de situações extremamente mundanas. Para isso, a obra nos fornece uma carismática galeria de personagens: Kaguya, a fria e estóica que, por dentro, está explodindo de emoções; Shirogane, o homem que vai a limites quase absurdos para manter a imagem de estudante exemplar, por mais que seja apenas um menino inepto; Chika, a personagem mais direta e perdida de toda a história; e Ishigami, um incel depressivo que acaba sendo usado como alvo de piadas em vários momentos.

A partir disso, temos várias situações que buscam comentar na futilidade presente na dramaticidade das preocupações da vida de adolescentes. Os embates psicológicos de Kaguya e Shirogane (que, de tão absurdos em suas reviravoltas, renderam comparações à Death Note e Kaiji) são engraçados justamente por serem causados por circunstâncias extremamente bobas, como dividir um guarda-chuva ou decidir o local de um passeio.

Apesar disso, Kaguya-sama reconhece que se apenas colocasse aqueles personagens como alvos de escárnio, não haveria como se conectar com eles de forma com que a história funcionasse da maneira que pretende, um balanço alcançado por pontuais momentos de honestidade e calor humano entre os personagens, e os momentos de ternura da série, como o que ocorre no episódio 10, onde Shirogane e Kaguya conversam sobre uma situação constrangedora que ocorreu no passado, são legitimamente bonitos por termos um apreço maior àqueles personagens.

Boa parte da eficiência de Kaguya-Sama, porém, se dá pela apresentação visual da série. Dirigido por Mamoru Hatakeyama (que tem em seu currículo créditos de direção em Showa Genroku Rakugo Shinju e Sankarea), Kaguya-Sama faz o máximo para elevar as piadas presentes no mangá, com uso de distorções de ângulos dramáticas, iluminação excessivamente dramática, movimentação de câmera precisa para maximizar o efeito cômico de cada piada, e variação em estilos de animação.

Além disso, elogios também devem ser feitos aos excelentes dubladores, que conseguem transmitir completamente a pompa escrachada dos personagens, principalmente Makoto Furukawa, como Shirogane, e Konomi Kohara, como Chika.

Kaguya-Sama é, em suma, uma obra que compreende como o amor na adolescência pode ser tanto uma maravilha quanto uma fonte de estresse eterna. Essa inteligência, somada à excelente direção, dublagens e com um nível de produção bem acima da média do comum para este tipo de anime, tornam este um dos melhores animes da temporada de Inverno de 2019. Disponível na Crunchyroll.

Comentários
Compartilhar

Sobre o Autor

Mateus Murozaki

Deixar um comentário

Or