Consoles Gameplay Games PC

Granblue Fantasy: Versus é uma boa porta de entrada

Escrito por Jean 'Kei' Badji

Granblue Fantasy: Versus é um jogo de luta no universo de Granblue Fantasy um famoso RPG Gacha. O jogo é fruto de uma parceria da Cygames, proprietária da marca, e Arc System Works, empresa responsável por excelentes jogos de luta como Guilty Gear Xrd, Blazblue e Dragon Ball FighterZ.  Portanto, o nome da Arc me fez esperar um excelente jogo de luta.

Particularmente, sempre fui medíocre em jogos de luta. Consigo me virar, entender o básico e me divertir, mas falho constantemente em ter a frieza de executar golpes na hora certa. Isso impede de ter um olhar de quem realmente entende e executa o metagame, porém permite avaliar melhor o nível de acessibilidade do jogo.

Jogos de luta não costumam ser acessíveis, devido a complexidade de personagens e variações de golpes. O que por consequência afasta o jogador médio e atrai mais um certo nicho. No entanto, jogos mais recentes tentam buscar um equilíbrio na acessibilidade. Granblue Fantasy: Verus é derivado de um RPG, então é natural que ele também siga o caminho de tentar ser mais acessível.

Mas Granblue Fantasy: Versus consegue ser acessível?

Sim. O jogo implementa atalhos para quem não é acostumado com um jogo de luta, mas incentiva o jogador a se aprofundar em cada mecânica.

Golpes especiais possuem uma barra de cool down, que podem ser executados tanto com comandos clássicos (como baixo, frente e soco) quanto com o R1+algum direcional, uma opção mais fácil de se executar, mas gera um tempo de cool down maior. Essa mecânica permite qualquer um a executar golpes especiais quando desejar, mas obriga jogadores novatos a variarem seus golpes e pensarem estrategicamente. Quando o jogador estiver mais a vontade para execuções mais complexas, ele terá que executar seus golpes de maneira técnica ao invés de usar atalhos.

O jogo conta com tutoriais competentes. O modo “Mission Tutorial” ensina desde conceitos básicos de um jogo de luta a como executar alguns combos e reagir a certos golpes de oponentes. O jogo também tem auto combos, mas são limitados e previsíveis, punindo facilmente quem tenta depender apenas deles.

O conteúdo single player é… ok

Granblue Fantasy: Versus possui um modo historia chamado “RPG Mode“, no qual possui uma estrutura um pouco diferente do resto do jogo. O modo contém mecânicas do RPG Mobile de maneira mais simplificada e sem micro transações. Você vai encontrar itens pra poder gerar loot de armas aleatoriamente e ganhar recompensas lutando contra inimigos em cada missão.

Não há muito o que se falar do RPG Mode, ele tem uma estrutura de missões curtas que lembram um beat’n up side scroller, mas com o esquema de combos e botões do jogo de luta. As missões são bem repetitivas e chatas, porém as batalhas contra chefes (que deixam de parecer um beat’n up side scroller e volta a ser um jogo de luta) são interessantes. Chefes no modo RPG possuem golpes únicos que te incentivam a utilizar na prática mecânicas aprendidas no jogo de luta, como esquivar e defender na hora certa. Contudo esses bons momentos não perdoam as missões tediosas e fáceis demais. O jogo possui certa complexidade em cada arma equipada, tendo elementos mágicos diferentes em cada uma e atributos variados, mas nunca precisei prestar atenção nisso.

Na primeira jogada, é possível completar tudo facilmente apenas com a opção “auto select” sem prestar atenção em nada. Até há um modo hard, que exige que se preste mais atenção nos equipamentos, mas ele só fica disponível ao terminar o jogo pela primeira vez.

A história do jogo é bem simples. Serve para quem não conhece Granblue Fantasy entenda quem são os personagens, mas não é boa o suficiente para engajar o jogador na historia. Se há algum mérito na historia desse jogo, é transpor o carisma dos personagens. Mesmo não me importando com a historia contada neste jogo, fiquei com vontade de ver esses personagens interagindo em outros jogos.

Mas o Arcade Mode é bom

Granblue Fantasy: Versus também possuí o clássico Arcade Mode, no qual te oferece uma série de lutas contra NPC e te permite escolher a dificuldade de cada luta individualmente. A opção de escolher a dificuldade de cada luta me agrada muito, pois incentiva o jogador a se desafiar constantemente na medida em que ele mesmo se sentir confortável.

Não há nenhum tipo de história no Arcade Mode, a recompensa por finaliza-lo com um personagem é uma artwork bem bonita e isso é suficiente.

E meu Deus, que jogo lindo

Granblue Fantasy: Versus é bonito, ele possui os onze personagens que existem no jogo base tem um design carismático e são muito diferentes um do outro. Não diferentes apenas em gameplay, que é bem variada, também em design e expressões. Cada personagem é único e memorável (exceto o Gran, que é bem genérico).

Não apenas o character design e os gráficos dos personagens são lindos, mas a trilha sonora e os cenários são de ótima qualidade.

Mas e o online?

Bem, minha experiência online nesse jogo é praticamente a mesma que tenho com todos os jogos da Arc System Works, não tem quase nenhum problema jogar online marcando com pessoas conhecidas que possuem o jogo, mas sempre que procuro alguma ranked match ou qualquer partida com desconhecidos saio frustrado. Partidas que demoram para serem encontradas e algumas com conexão bem ruim e cheio de input lag. Se for quiser jogar online com desconhecidos, tente se aventurar em um canal de Discord ou algum grupo do Telegram, é mais viável que depender do netcode da Arc System.

No fim, é um ótimo jogo

Granblue Fantasy: Versus não é perfeito, longe disso, mas é um jogo de luta muito competente e divertido. Caso você tenha algum interesse, mas medo da complexidade de jogos de luta, o jogo oferece uma ótima porta de entrada. É um jogo mais acessível que a média de jogos de luta, mas sem perder profundidade e competitividade.

A análise deste jogo foi feita por uma cópia disponibilizada pela Marvelous Games e foi jogada no Playstation 4, o jogo também está disponível para o PC.

Selo Ouro: Recomendável

Comentários
Compartilhar

Sobre o Autor

Jean 'Kei' Badji

Deixar um comentário

Or