Quadrinhos

Eu Matei Adolf Hitler | Uma história simples e profunda

Escrito por Marco Aurelio

Eu Matei Adolf Hitler, originalmente publicado pela Fantagraphics em 2007, não ganhou o Prêmio Eisner à toa. Uma história curta que prende o leitor por vários quadros, criando uma espécie de leitura dinâmica, ainda mais com as poucas páginas presente no livro, ganham forma em terras brasileiras através da Editora Mino.

Um destaque importante do enredo é o contexto inicial: o assassino de aluguel. Como é claramente sugerido, essa prática se tornou uma profissão nesse ínfimo universo e a sociedade criada ao redor dessa “cultura”, torna a morte uma coisa banal. Simultaneamente, a frieza como isso é visto nos personagens, mostra como essas ações estão intrinsecamente ligadas ao cotidiano das pessoas, inclusive diretamente ao nosso protagonista. Todos não medem esforços para se livrar de alguém, seja por quaisquer motivos, basta ter o dinheiro.

Aqui, o (mais famoso) ditador de toda a história não é o centro da trama, mas apenas uma justificativa para haver uma viagem no tempo para desenvolver apenas um relacionamento. Em contrapartida, uma caçada “frenética” para encontrar Hitler se inicia e ao longo de toda a investigação, entrelaçada com situações amorosas não resolvidas, você se dá conta e se pergunta: realmente é necessário essa busca? ela faz algum sentido?

De forma sucinta, Jason consegue trazer de forma simples fenômenos morais entrelaçado ao romance e um drama literário que aguça os questionamentos existencialistas sobre amor e moralidade. Além da melancolia vista nos quadros dando uma profundidade a narrativa gráfica.

Contar mais dessa história seria trazer muitos spoilers e tiraria a magia e a imersão na leitura. Se você se interessou pelo material, você pode adquirir seu exemplar aqui e aqui e se aventurar em uma das obras do autor, o quadrinista norueguês, Jason.

Comentários
Compartilhar

Sobre o Autor

Marco Aurelio

Sou roqueiro, mas no fone de ouvido eu escuto Raça Negra. Quadrinhos e games, eu gosto. Podem me mandar.

Deixar um comentário

Or