Anime Cultura Japonesa

Devilman: Crybaby | Quem são os verdadeiros demônios?

Em um período de tensão, medo e insegurança fruto de diversos conflitos emergentes e catástrofes violentas ao redor do mundo, Go Nagai expressa uma preocupação real através de um conflito entre homens e demônios em seu mangá de 1972, Devilman. 45 anos após a publicação original, o mundo ainda enfrenta um cenário de constante tensão diante de decorrentes ameaças nucleares, crises políticas, econômicas e sociais.

No aniversário de 50 anos da carreira de Go Nagai recebemos uma nova adaptação do mangá original através de Devilman: Crybaby, para nos relembrar desta mensagem valiosa que, infelizmente, é mais real do que nunca.

Lançado originalmente entre 1972 e 1973, Go Nagai influenciou-se bastante pelo clima de tensão que tomava conta do Japão durante o pós-Segunda Guerra e a Guerra do Vietnã.

A obra narra a história do adolescente Akira Fudo, que ao fazer um pacto com o demônio Amon, e se torna Devilman, uma criatura com poderes sobrenaturais e o coração de um ser humano. Akira luta contra outros demônios afim de salvar a humanidade.

Devilman exerceu grande influência em grandes obras e autores japoneses. Através da sua violência gráfica absurda, o mangá se destacou na época por ser um dos primeiros a pisar neste terreno. A temática demoníaca, da dualidade entre bem e mal e visuais são elementos de Devilman que podem ser reconhecidos no clássico e obra prima de Kentarou Miura, Berserk. Devilman também serviu de influência para a produção de outro clássico, Neo Genesis Evangelion, abordando o tema do fim da humanidade e como seres humanos lidam com o medo.

Enquanto os demônios retratados em Devilman ajam mais como animais, atacando humanos e tendo relações sexuais não apenas pelo prazer, mas por sobrevivência. Ao ver o cenário desta forma fica claro que, diferente de qualquer outra forma de violência encontrada na natureza, o ser humano é um ser violento apenas pela finalidade de experienciar o prazer da adrenalina e sangue.

Devilman traz a luz uma antiga questão a muito esquecida pela humanidade, afinal, quem são os verdadeiros demônios?

Ao terminar de assistir Devilman: Crybaby me senti vazio ao pensar que uma como está pôde entregar uma mensagem tão impactante, como diversas outras, mas ainda sim o mundo frequentemente se encontra a beira de um colapso pela mão dos seres humanos. Para mim isto é assustador.

Uma obra atemporal.

Após 45 anos a obra prima de Go Nagai finalmente teve a adaptação que merecia através da Netflix, apresentando a obra para toda uma nova geração. Acredito que seja de suma importância, especialmente em tempos como este que nós paremos para pensar nas consequências dos nossos atos, em relação ao mundo, em relação a forma como tratamos nós mesmos e os próximos.

A nova adaptação, comandada por Masaaki Yuasa, moderniza o clássico sem que ele perca toda sua essência e mensagem. A trilha sonora composta Ushio Kensuke tem uma vibe de música eletrônica e é simplesmente estonteante, além da nova versão de “Devilman no Uta” que é animal.

Devilman Crybaby permanece fiel ao original da melhor forma possível além de apresentar diversas referências ao original e aos OVAs.

Nos resta a questão, quem são os verdadeiros demônios?

Comentários
Compartilhar

Sobre o Autor

Luiz Alex Butkeivicz

Estudante de letras e literatura japonesa e escritor.

Deixar um comentário

Or