Anime Cultura Japonesa Pagode Japonês

Arakawa Under the Bridge | Um romance embaixo da ponte

Não faz muito tempo que me tornei fascinado pelo estilo e direção da série Monogatari pelo estúdio Shaft. Foi há algumas semanas, enquanto olhava outros trabalhos do estúdio que me deparei com uma proposta original e interessante que me chamou a atenção pelo conceito inesperado mas ainda sim, charmoso. Desta vez, gostaria de falar um pouco sobre Arakawa Under the Bridge, esta obra que superou minhas expectativas elevadas e ganhou um espaço na minha estante e memória.

O mangá escrito por Hikaru Nakamura conta com 15 volumes e é publicado no Brasil pela Panini. O mangá teve sua primeira adaptação em anime abril de 2010, logo teve uma segunda temporada intitulada Arakawa Under the Bridge x Bridge em outubro do mesmo ano, ambas produzidas pelo estúdio Shaft.

Mas do que se trata este show?

Kou Ichinomiya é um jovem de 21 anos que sempre seguiu o lema da sua família: nunca fique em dívida com ninguém. Porém, um dia, Kou acaba caindo da ponte Arakawa e quase se afoga, mas é salvo por um garota chamada Nino. Tendo que encontrar um jeito de reparar sua dívida com Nino por ter salvo sua vida, Kou pergunta se há algo que ele pode fazer para retribuir o favor. Nino diz que quer um namorado. E assim começa a vida de Kou embaixo da ponte.

Debaixo da ponte vive todo tipo de pessoa, de uma fazendeira sádica e outra desajeitada, um kappa até uma freira que é um ex-agente militar.

A princípio a história parece bem devagar, especialmente o primeiro episódio chegando a parecer um episódio de Monogatari, mas logo toma um ritmo consistente entre cada arco no decorrer dos 13 episódios que consistem a primeira temporada. Devo também destacar a excelente dublagem com vozes conhecidas como a de Sugita Tomokazu fazendo o papel de Hoshi e notório pela voz de Sakata Gintoki em Gintama, ou a voz de Kamiya Hiroshi mais conhecido pela voz de Araragi na série Monogatari e faz o papel de Kou.

Outro fator que realmente chamou minha atenção é caracterização dos personagens e seus designs. Como Hoshi (O Estrela) e como sua história de origem ridícula e trágica gira em torno da sua ascensão musical, ou a própria Nino que embora aparente ser apenas uma garota excêntrica a princípio, se mostra mais do que isso mostrando ser a melhor influência possível sobre a personalidade egoísta de Kou.

De fato, a caracterização dos personagens vai muito além dos seus designs e das cenas em que aparecem. A história é lentamente construída assim como a relação entre os personagens através do dia-à-dia embaixo da ponte. Isto se torna mais visível após alguns episódios quando começamos a ver o um pouco mais sobre a vida de cada personagem e o valor que dão a comunidade de Arakawa.

Okay, finalmente percebi que tenho alguma coisa por mulheres sádicas.

Ah, e enquanto ainda não cheguei a assistir a segunda temporada, posso dizer que assim como a primeira, ambas possuem aberturas extremamente contagiantes e animadas tão bizarras quanto o próprio show. Na verdade, não me permiti assistir a segunda temporada apenas porque decidi que irei ler o mangá, totalmente merecedor de um espaço na minha estante.

Arakawa Under the Bridge é acima de qualquer coisa, uma obra sobre que deixa o espectador se perguntando, o que realmente é necessário para ser feliz? Muito dos detalhes que constroem a narrativa podem acabar passando despercebidos sob a comédia, mas acredito que é isso que torna uma comédia boa, a capacidade de estabelecer uma mensagem ou conceito real, mesmo sob um contexto absurdo e surrealista, mesmo que o espectador não esteja ciente disto.

É realmente um show que vale à pena assistir, mesmo que não seja o seu tipo favorito de anime ou mangá. Aliás, é um show interessante para se assistir especialmente para os casais, fugindo um pouco dos clichês românticos.

Comecei a assistir este show com expectativas elevadas, mas deve dizer que mesmo assim não me decepcionei. Não me entenda errado, não posso dizer que é um dos melhores animes que já vi, mas por outro lado, é um dos poucos que ganhou um lugar especial na minha memória.

Seja Guilty Crown, Ano Hana, Mirai Nikki ou Gintama, acredito que todos tem algum show que talvez não seja o melhor do mundo, mas para nós é algo especial. Arakawa conquistou este lugar por ser uma história simples, divertida e até que comovente sobre estas pessoas estranhas debaixo de uma ponte.

Comentários
Compartilhar

Sobre o Autor

Luis Alex Butkeivicz

Estudante colegial, fã da cultura pop japonesa moderna e contemporânea aka otaku e escritor

Deixar um comentário

Or