Quadrinhos

Aleister Crowley e o Sagrado Feminino em HQs pela Editora Draco

Escrito por Ricardo Ramos

A Editora Draco resolveu abrir os livros da magia e levar tudo para os quadrinhos em duas graphic novels, uma sobre a maior figura do ocultismo da história e outra sobre histórias sobre o Sagrado Feminino em uma nova campanha de financiamento coletivo no Catarse.

Astrum Argentum de Aleister Crowley é a segunda edição da coleção Escritores Malditos, que começou na ótima Delirium Tremens de Edgar Allan Poe (confira nossa resenha AQUI) em 2018. Agora em uma coletânea em quadrinhos, o editor Raphael Fernandes, profundo conhecedor do tema, reuniu um grupo de artistas para histórias baseadas no Sr. Crowley.

Durante a produção de Astrum Argentum, foram concebidas excelentes histórias com um tema em comum em abordagens diferentes. Então foi Babalon – As Mulheres Escarlate, que reuniu autoras e um autor LGBTQIA+ para contar histórias sobre o sagrado feminino. Aqui estão quatro narrativas que abordam temas como a vida de Estrela Absinto, a descoberta da sexualidade, a ancestralidade feminina e o peso da maternidade.

Astrum Argentum de Aleister Crowley passeia em oito histórias inspiradas na vida e na obra de Crowley, que além de mestre do ocultismo foi também magista, alpinista, poeta, pintor, agente secreto, escritor. Ele viveu muitas vidas em apenas uma. Seja pelas extravagantes polêmicas em torno de sua figura ou pelo legado ofertado aos praticantes de magia do século XX e XXI. A Grande Besta 666 é uma inspiração para muitos artistas, como Alan Moore, Ozzy Osbourne, The Beatles, Grant Morrison, Fernando Pessoa, Led Zeppelin, Neil Gaiman, Raul Seixas, Bruce Dickinson, David Bowie e muitos outros.

Confira abaixo os títulos das histórias de Astrum Argentum de Aleister Crowley com seus artistas envolvidos:

O Maior Mago que já Existiu  (Roteiro: Rogério Faria – Arte: João Sá)
Menina do Anel de Lua e Estrela  (Roteiro: Alexey Dodsworth – Arte: David Arievilo)
Banimento Sombrio  (Roteiro: Raphael Fernandes – Arte: Má Matiazi – Cores: Bruno Brunelli e Má Matiazi)
As Sombras Sussuram  (Roteiro: Caio Domingues – Arte: Gerson Novak)
Crucifixi Ranae  (Roteiro: Rodrigo Ramos – Arte: Sajo – Cores: Bruno Costa)
Artes da Guerra (Roteiro: Felipe Cazelli – Arte: LuCas Chewie)
Bebê do Abismo (Roteiro: José Galindo – Arte: Danilo Dias)
Noite na Abadia (Roteiro: Dana Guedes – Arte: Flávio L. Maravilha)

Já em Babalon – As Mulheres Escarlate, conhecemos um mundo que habita o Sagrado Feminino. Esse conceito milenar, que está ganhando cada vez mais notoriedade, pode representar mais qualidade de vida e autoestima para as mulheres. O Sagrado Feminino oferece ensinamentos sobre as emoções e os ciclos femininos, além de potencializar o entendimento sobre o próprio corpo e o papel da mulher na sociedade.

Confira as histórias e os artistas envolvidos:

Ovo Negro  (Roteiro: Ana Lúcia Merege – Arte: Lara Lobo)
Ascendência  (Roteiro: Camila Suzuki – Arte: Gabriela Rangel)
Mãe das Aberrações  (Roteiro: Jessica Borges – Arte: Roberta Cirne)
Atu XI – Luxúria  (Roteiro e arte: David Arievilo)

As artes da capa em Babalon – As Mulheres Escarlate é de Carolina Jamhour. Já em Astrum Argentum de Aleister Crowley essa arte é de Daniel Canedo.

Vale ressaltar que as duas HQs estão em campanhas juntas. Para saber mais sobre a campanha, valores, recompensas e claro apoiar, clique AQUI.

Comentários
Compartilhar

Sobre o Autor

Ricardo Ramos

Gibizeiro, escritor, jogador de games, cervejeiro, rockêro e pai da Melissa.

Contatos, sugestões, dicas, idéias e xingamentos: ricardo@torredevigilancia.com

Deixar um comentário

Or