Cinema Entretenimento Tela Quente

1917 é uma obra-prima entre os filmes do gênero

Escrito por José Victor

Conhecido por ter ganho os principais prêmios do Globo de Ouro e do BAFTA este ano, 1917 se apresentou como uma grande surpresa e conquistou rapidamente a curiosidade do público. O novo longa dirigido por Sam Mendes, feito como uma homenagem ao seu avô que esteve presente no conflito e lhe contava histórias a respeito, é uma experiência única que eleva os longas do gênero ao seu ápice em duas horas de exibição.

Image result for 1917

A trama de 1917 é bem simples: durante a primeira guerra mundial, dois soldados britânicos – Schofield (George MacKay, de Capitão Fantástico) e Blake (Dean-Charles Chapman, de Game of Thrones) são convocados para entregar uma carta que tem como objetivo impedir um ataque que colocará em risco uma tropa inteira onde, inclusive, o irmão de um dos protagonistas está. É um roteiro comum, sem nenhum grande plot twist ou qualquer reviravolta, mas que funciona com maestria no decorrer do longa.

Entretanto, não é essa simplicidade que define o filme. A história é marcada pela imersão que o telespectador tem ao acompanhar os dois soldados através dos desafios e dos obstáculos para concluir a sua missão – imersão essa criada pelos aspectos técnicos e pela direção do longa.

Image result for 1917 shot

Todo o filme se passa através de um plano sequência de tirar o fôlego, onde o longa aparenta não ter nenhum corte. Claro que isso foi feito por meio de jogadas de câmera e durante a edição, mas foi tão cirúrgico que o telespectador fica sem fôlego vendo toda a ação acontecendo de forma contínua até o término do filme. Durante toda a película, a câmera faz giros de 360º ao redor dos personagens, fica sob no ombro deles e atravessa paredes ou qualquer superfície para evitar que haja algum corte brusco. Inclusive, em alguns momentos, dá a impressão de que o filme é um videogame de última geração.

A fotografia dirigida pelo excelente Roger Deakins (responsável por Blade Runner 2049) é extraordinária, contribuindo perfeitamente com a forma pela qual o filme foi gravado, evitando o uso de luz artificial para cômpor os cenários.

Em conjunto com isso, a trilha sonora de Thomas Newton cria a tensão e o alívio necessários para ajudar na imersão do longa. A direção de Sam Mendes é impecável e é o fator primordial para que 1917 seja uma obra-prima do gênero.

Image result for 1917

É impossível não comparar 1917 com Dunkirk, o último filme bem sucedido do gênero que foi dirigido por Christopher Nolan. O longa de Mendes consegue pegar tudo o que deu certo em Dunkirk e transformar em algo melhor ainda, sem repetir os erros cometidos pelo mesmo.

Com o Oscar chegando e sendo indicado nas principais categorias, é inegável que 1917 levará uma boa quantidade de estatuetas para a casa, sendo o preferido por muitos para levar também o de ‘Melhor Filme’. 1917 é uma experiência única ao telespectador – com uma imersão intensa e uma direção impecável, ele se tornou uma obra-prima do gênero que vale a pena ser conferida no cinema.

Nota: 5/5

Os cabos Schofield (George MacKay) e Blake (Dean-Charles Chapman) são jovens soldados britânicos durante a Primeira Guerra Mundial. Quando eles são encarregados de uma missão aparentemente impossível, os dois precisam atravessar território inimigo, lutando contra o tempo, para entregar uma mensagem que pode salvar cerca de 1600 colegas de batalhão.

1917 está concorrendo ao Oscar e está em cartaz nos cinemas.

 

Comentários
Compartilhar

Sobre o Autor

José Victor

Estudante de Odontologia durante o dia e vigilante da Torre durante a noite. O Cavaleiro das Trevas de Frank Miller é minha religião e nada me faltará. Escrevo sobre cinema, jogos, séries e o que mais me der vontade.
Contato: josevictor@torredevigilancia.com

Deixar um comentário

Or