Tela Quente

Crítica | La La Land – Cantando Estações

LaLaLandDestaque
Escrito por Thiago Pinto

La La Land pode ser considerado uma obra prima importante para o cinema no futuro. O diretor Damien Chazelle, que conseguiu alcançar a missão de fazer um filme mais incrível do que Whiplash (2014), quando coloca a música e a dança em primeiro plano, faz tudo ficar um espetáculo, conduzindo-o com o glamour hollywoodiano.

Whiplash mostrou ao mundo do cinema a força de Damien Chazelle, e se em 2015 não foi o seu ano de  premiações, certeza de que 2017 será. Há muitas semelhanças ao Whiplash, tecnicamente, as cores quentes e frias tomarem conta do espaço, ou todas as luzes se apagarem para colocar o holofote no que realmente é importante são algumas delas. Junto das músicas compostas por Justin Hurwitz, a coreografia e os planos-sequência de Chazelle, La La Land homenageia o cinema americano e transmite uma mensagem de perseverança ao público.

land5

Ryan Gosling e Emma Stone são a dupla romântica da vez. Além de uma química muito boa, Gosling e Stone viajam com suas atuações. Em algumas partes, parecem estar em um filme de Woody Allen, e rapidamente transportados para Singing In The Rain (1952), de Stanley Donen e Gene Kelly. Talvez Gosling nunca supere sua atuação marcante em Drive (2011), mas Emma Stone certamente conseguiu sair da zona de conforto e brilhar, sendo o seu melhor trabalho até aqui.

Sebastian (Ryan Gosling) e Mia (Emma Stone) têm sonhos distintos. Sebastian quer ter seu próprio clube de jazz e perpetuar o gênero que é considerado “chato” e “ultrapassado”. Já Mia quer ser atriz de cinema, mas não dá sorte nos testes e audições. Contudo, ambos não desistem de alcançar seus objetivos e irão atrás deles, mesmo que tenham de sacrificar alguns momentos juntos. Essa é a questão: perseverança.

la-la-land2

Romance, comédia, drama, musical, La La Land é uma mistura de gêneros completa, e esse é o seu ponto forte. Surpreende o público com os rumos que vai tomando. Danças frenéticas com um piano ao fundo, até a sequência de uma cantoria inacreditável de pessoas em cima de carros (alguns coloridos), dando ênfase ao musical e às cores. Ou até mesmo uma sala de testes torna-se o momento perfeito para uma canção.

La La Land tira o nosso fôlego e apresenta um musical inesquecível. Se já ganhou sete estatuetas no Globo de Ouro, provavelmente irá ganhar mais algumas no Oscar. La La Land é a prova  incontestável que o cinema tem muito para nos ensinar ainda, e seu futuro se torna cada vez mais promissor.

Comentários
Compartilhar

Sobre o Autor

Thiago Pinto

‘’E quando acabar de ler a matéria, terá minha permissão para sair’’

-Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge (2012)